Vitória e Flamengo empatam em jogo com arbitragem polêmica

Em jogo com arbitragem catastrófica, Flamengo estreia com empate no Brasileirão Juiz Wagner Reway expulsou Everton Ribeiro de forma equivocada e validou gol irregular do Rubro-Negro carioca


Salvador – O Flamengo tinha tudo para uma estreia tranquila no Brasileirão ao abrir o placar aos 16 segundos. Só não contava com uma arbitragem pavorosa de Wagner Reway, que expulsou Éverton Ribeiro aos 9 minutos do primeiro tempo em pênalti inexistente. Ainda assim, o Rubro-Negro, que depois seria beneficiado com a não marcação de impedimento claro no segundo gol, lutou com um a menos, mas só empatou em 2 a 2 com o Vitória, neste sábado, no Barradão.

Continua depois mídia


sob: Nova Direção!
promoção para 12horas R$ 49,00
informações:
(73) 3292 9893/ 9 9963 9021

O início não poderia ter sido melhor. Mal a bola rolou e o Flamengo abriu o placar com Lucas Paquetá após passe de Vinicius Junior, titular com a saída de Everton para o São Paulo. Tudo mudou após nove minutos, quando a arbitragem cometeu erro grave e mudou o jogo.

Após confusão na área, a bola bateu no rosto de Éverton Ribeiro, mas o árbitro Wagner Reway viu mão inexistente, marcou pênalti e ainda expulsou o meia. Yago cobrou e empatou para o Vitória.

O Twitter oficial do Flamengo postou, em tom de provocação: ‘Replay por ângulo exclusivo: ~acertou~ a arbitragem! Pegou na mão!”.

Com um a menos, o Flamengo precisou mudar a forma de jogar (Henrique Dourado saiu para a entrada de Willian Arão) e a análise do trabalho do técnico interino Mauricio Barbieri em seu primeiro jogo oficial ficou prejudicada. Ainda assim, apesar do maior domínio de bola do Vitória, foram os cariocas que tiveram chances, com Paquetá e Réver.

No intervalo, dirigentes e membros da comissão técnica do Flamengo partiram para cima da arbitragem e houve princípio de confusão no vestiário.

Na segunda etapa, o Vitória tentou forçar, mas o Flamengo se segurou e só levou um susto. Aos 10, Barbieri tirou um cansado Paquetá, o melhor em campo, para colocar Geuvânio. O time caiu de produção e ainda assim rondou com mais perigo a área adversária até marcar o segundo gol, aos 26. E de novo numa falha grave da arbitragem. Arão, impedido, cabeceou, Geuvânio cruzou e Réver marcou. Mal deu tempo de comemorar. Em erro defensivo, Denilson subiu sem marcação de Juan para empatar, e

Lorena Oliveira

Lorena Oliveira | Comunicadora Editora Foco de Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.