ELEIÇÕES CONSELHO TUTELAR – Após polêmica, Samuel Rendeiro retira candidatura

Uma polêmica envolvendo Samuel Sales Rendeiro, filho do pastor Otávio Rendeiro, líder da Igreja Assembléia de Deus em Teixeira de Freitas, movimentou as redes sociais e dividiu opiniões essa semana na cidade.

Samuel Rendeiro, era candidato ao Conselho Tutelar, e foi acusado por concorrentes de utilizar do prestígio do líder da Assembléia de Deus, que é seu pai, e o apoio de políticos da cidade para se beneficiar durante o pleito eleitoral.

Entenda o Caso

Após a exposição de vídeos onde o Deputado Federal Valmir Assunção (PT), declara apoio ao filho do pastor, o jovem através de áudios (nada modestos!) divulgados em grupos de Wathsapp, utilizou de mais de 12 minutos de fala, para expor sua condição de predileto, e falar do seu prestígio político, em vantagem aos demais candidatos.

A falta de modéstia do jovem, chegou ao ápice após alguns ex-vereadores e vereadores declararem também em rede social, o apoio ao filho do pastor.

Com declarações polêmicas, Samuel Rendeiro, que foi nomeado como ASSESSOR TÉCNICO DE CONTROLE DE INFORMAÇÃO na Câmara de Vereadores de Teixeira de Freitas, viu sua candidatura ruir, após candidatos ao Conselho Tutelar, formalizarem denúncia no CMDCA.

Com salário de quase R$ 2.500 (dois mil e quinhentos reais), o jovem, que é apadrinhado do vereador Ronaldo Baitakão, presidente da Câmara de Vereadores, e membro da Igreja Assembléia de Deus onde o pai do jovem é líder evangélico, Samuel Rendeiro achou melhor renunciar à sua candidatura, após duras críticas feitas por cidadãos teixeirenses, que questionaram a falta de humildade e preparo do jovem para disputar tal cargo.

A Igreja Assembléia de Deus, possui em torno de 11 mil membros. O apoio do pastor Otávio Rendeiros é cobiçado por diversos grupos políticos e candidatos da cidade e região. Inclusive, Samuel Rendeiros deixa claro o prestígio político do pai, e chega a relatar que o mesmo foi procurado por coligações políticas para disputar um cargo no executivo municipal no pleito eleitoral de 2020. Para se ter uma ideia, se fôssemos computar os votos dos fiéis da igreja, seria suficiente para eleger 04 ou 05 vereadores na cidade.

Confira o Teor da Denúncia feita ao CMNDA:

Contra SAMUEL SALES RENDEIRO,  candidato a Conselheiro Tutelar, número de inscrição 46, pelas razões de fato e de direito a seguir expostas:

1 – O Denunciante e outros candidatos, bem como o Denunciado se inscreveram para concorrerem a 10 vagas para Conselheiro Tutelar  no município de Teixeira de Freitas, para mandato de 04 (quatro) anos.

2 – Logo quando do início da campanha houve reunião com todos os candidatos para tratar exclusivamente sobre a lisura das eleições e tirar dúvidas sobre “o que pode” e “o que não pode” durante o período de eleitoral.

3 – Houve uma segunda reunião reforçando o comprometimento com uma campanha justa e igualitária, onde foi lida resoluções que regulamentam o período eleitoral e novamente foi sanado dúvidas ainda existentes, o que consolidou ainda mais a responsabilidade individual de cada candidato.

4 – Ocorre que, o candidato Denunciado vem apresentando conduta incompatível com o que foi convencionando nas reuniões, violando assim as regras eleitorais da Resolução 07.19 CMDCA, que dispõe sobre as regras de campanha dos candidatos inscritos para o processo de escolha unificado dos Conselheiros Tutelares de Teixeira de Freitas.

5 – A princípio havia só uma suspeita, no entanto, no decorrer do processo foram aparecendo situações que não podem prosperar, visto violadoras do equilíbrio das eleições, como vídeos anexos, onde num deles o Deputado Federal Valmir Assunção pede votos sem a presença do Denunciado, no outro vídeo que rodou as redes sociais o Vereador Arnaldinho em companhia do próprio Denunciado pede voto abertamente aos seus eleitores.

6 – Frise-se que num áudio enviado para um grupo de WhatsAppp criado por esse conselho para facilitar a comunicação entre os candidatos e o próprio CMDCA, o Denunciado alega com as próprias palavras que na instituição religiosa na qual frequenta como membro, existem outros vereadores e candidatos a vereadores fazendo campanha para ele, conduta esta vedada pela Resolução 07.19 CMDCA, no art. 3°, § 4°. Vejamos:

“É vedada a vinculação político-partidária das candidaturas, seja através da indicação, no material de propaganda ou inserções na mídia de legendas de partido políticos, símbolos, slogans, nomes ou fotografias de pessoas que, direta ou indiretamente, denotem tal vinculação.”

7 – É importante salientar que, praticamente todos ou senão todos os candidatos tem conhecidos ou até mesmo amigos que militam na política e que poderiam estar direta ou indiretamente apoiando um ou outro, porém, como foi combinado em reunião a campanha seria isenta de qualquer vinculação político-partidária, sob pena de violação ao edital.

8 – Assim, tendo o Denunciado SAMUEL SALES RENDEIRO,  candidato a Conselheiro Tutelar, número de inscrição 46, praticado atos que violam o § 4° do art. 3° da Resolução 07.19 CMDCA, conforme provas anexas, requer a este Conselho, seja recebida a presente Denúncia com cópia ao Ministério Público, devendo o Denunciado ser notificado para apresentar defesa caso queira, e ao final, seja o mesmo penalizado conforme preceitua o item 14.12. do Edital n° 001/2019 do CMDCA.

Nesses termos, pede deferimento.

Teixeira de Freitas, 30 de setembro de 2019.

INFORMAÇÕES – Verdades Politicas

Lorena Oliveira

Lorena Oliveira | Comunicadora Editora Foco de Notícias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.