Caravelas finaliza o segundo quadrimestre mantendo a medalha de ouro na região no previne Brasil

Dos 21 municípios que compõe a região Extremo Sul, Caravelas ficou em 1º colocado e dentre os 417 municípios baianos em 24° lugar na avaliação dos indicadores do Programa Previne Brasil do Ministério da Saúde.

A avaliação dos indicadores de saúde é realizada a cada 4 meses e os resultados são disponibilizados para os municípios por meio do sistema SISAB do MS.

A Secretária de Saúde Marina Ramalho, ressaltou a importância do trabalho dos profissionais da saúde envolvidos na Atenção Primária a Saúde. “Um dos fatores que contribui para o bom resultado dos indicadores é a estrutura e suporte proporcionado pela Administração Municipal, com a realização de exames, consultas especializadas, fornecimento de medicamentos e materiais necessários para os atendimentos das unidades de saúde”, enfatiza.

O resultado alcançado deve-se também ao empenho de cada profissional e do comprometimento e trabalho colaborativo. Continuaremos trabalhando para ampliar e melhorar a qualidade dos atendimentos para estarmos sempre na ponta e, garantir o repasse de recursos federais do Programa Previne Brasil para melhorar os serviços prestados à população pela saúde do município”, destaca ainda a secretária.

Para o prefeito Silvio Ramalho, a Secretaria de Saúde composta pelos seus servidores merecem reconhecimento, pois conquistar o primeiro lugar na região só tem sido possível pelo árduo trabalho de uma equipe empenhada com a população. E Caravelas, mais uma vez, vem se destacando nos números e nos índices em saúde, bem como nos demais segmentos. “Enquanto gestor público deixo meu agradecimento e valorização a todos que se esforçaram para que os resultados fosse atingidos, fazendo do nosso município, destaque regional e estadual na área da saúde, num momento tão atípico como este”, finalizou o prefeito de Caravelas.

O Previne Brasil

O Previne Brasil foi instituído pela Portaria nº 2.979, de 12 de novembro de 2019. É um novo modelo de financiamento da Atenção Primária a Saúde – APS, que mudou algumas formas de repasse de recursos para os municípios brasileiros, passando a ser distribuídos com base em três critérios: capitação ponderada, pagamento por desempenho em indicadores de saúde e incentivo para ações estratégicas.
A proposta tem como princípio a estruturação de um modelo de financiamento focado em aumentar o acesso das pessoas aos serviços da APS e o vínculo entre população e equipe de saúde, com base em mecanismos que induzem envolvimento dos gestores e dos profissionais.

Lorena Oliveira

Lorena Oliveira | Comunicadora Editora Foco de Notícias